Volta à terra

Documentário  de Pedro Plácido sobre a ruralidade portuguesa

        Pedro Plácido

Num tempo em que o que todos querem é dar a volta ao mundo, esta volta à terra surge como a procura da identidade, um movimento de regresso a uma realidade perdida entre outras mais comuns. 


Trata-se de um filme realizado por um director de fotografia que faz de uma aldeia algures entre o Minho e Trás os Montes um retrato vivo. Entre o documentário e o cinema “Volta à terra” ganhou o prémio do Doc Lisboa deste ano. Pedro Plácido voltou à terra da família materna para retratar uma comunidade de 54 pessoas que vivem num contexto rural,  com uma filosofia de respeito pela terra e pelo que ela devolve. Esta comunidade, diz o autor, sabe que precisa do Outro, vive numa sociedade fechada em que todos se ajudam e sabem que não podem viver sem os outros, e, arredados das tecnologias que povoam as realidades mais comuns, feito o filme, nem sequer querem ter um registo dele. Não precisam do documento: orgulham-se da sua realidade e modo de vida e isso basta-lhes. Não vivem de imagens ou modas, centrados no real essencial da terra, dos seus animais, e da comunidade que permanece ligada numa teia mais forte que qualquer network. É uma comunidade de tradição oral, não se interessam nem por televisão quanto mais por outras tantas coisas igualmente virtuais como uma fotografia ou um filme. São agentes e não actores no documentário, sem orgulho mas com naturalidade como se vivessem no palco da aldeia para os outros verem (nós, os que encontramos nestas imagens a poesia da terra – poesia que eles vivem).
Devemos ver porque temos fome da ruralidade, fechada em museus etnográficos ou viva neste documentário essencial como a terra e os seus frutos.

Posted on July 10, 2015 .