Caco – A tradição ao improviso

Um projecto que revisita a tradição popular portuguesa.

Podia chamar-se Caco – os poemas à lareira ou canções tradicionais ao luar, amores ao relento, as canções ao improviso, mas chama-se Caco – a tradição ao improviso e o nome por si só é poético. Significa que a tradição está viva ou recuperada (recolhida) e que os mentores deste projecto a fazem ouvir ao som do improviso pegando em instrumentos também de tradição popular como a gaita de foles ou a flauta.

“...O mundo ‘tá escangalhado / precisa s’outra cabeça...” repete à exaustão o informante no vídeo. Soa como um eco, num tom minimal, este fragmento de filosofia bruta do povo, em desconcerto diria Camões. É esta rudeza que faz o estilo da tradição popular oral.

Este projecto culto recolhe e salva o tradicional perdido na voz dos que ainda recordam o legado que herdaram da comunidade, da memória colectiva. E traz as vozes da tradição em extinção à luz ou à sombra do improviso à cidade onde o som bucólico de um rebanho a passar é som que cheira a terra, como quando chove  e a terra cheira melhor.

Não é fácil não gostar quando todos estamos tão apartados da terra e do canto dos homens na terra.

O improviso por vezes espelha a surdina tornando o canto da terra actual e ritualizando-o no tempo moderno.

É um projecto de cruzamento de tradição e de contemporaneidade, de poesia da terra e de ruído que desperta, faz sonhar, e estimula de novo. Porque é um projecto cheio de força.

Podes ver o vídeo do primeiro espectáculo aqui
E também as nossas fotos a Aqui
 

Posted on July 6, 2015 .